[Romances da Mari Veiga] - O que é o amor? Cap 12

Ebaaaa! Domingo chegou! Esse dia é tão mais especial agora!
Bom, como eu sou linda e fofa, gostaria de avisar que hoje tem dose dupla tá?
Ou seja, post aqui e post no Historias Para Meninas
Bom vamos ao que interessa....o post!!!!

E só para não perder o costume, sabe como é né?
@MariCVeiga
facebook.com/MariCVeiga
I'm gay. Deal with it.


Banho frio e água morna....


Uma mensagem que deixava claro que Andreia não tinha esquecido dela, mas sem nada demais. Carol respondeu no mesmo nível: Estou voltando para a loja também! Trabalha direitinho linda! ;)

E assim um banho de água gelada tinha inaugurado a semana das duas. Até o fim do dia nenhuma mensagem foi trocada e nenhuma ligação foi feita. Tentaram ao máximo se dedicar ao trabalho. Mas o papo que tinham tido no almoço a estavam perturbando. Entre telefonemas, clientes, risos falsos e perguntas respondidas automaticamente a cabeça delas estavam congeladas no promissor (ou não) namoro delas. Será que realmente estavam indo rápido demais? Depois de tudo que Andreia tinha sofrido, estava pronta pra se entrega novamente? E justamente para Carol aquela menina que se divertia em colecionar amores?

Tentou tirar o pensamento da cabeça e terminou seu horário de trabalho como devia. Ainda fez hora extra, pouco, mas fez para fecharem um projeto urgente. Foi até bom, não queria chegar em casa tão cedo. Pegou o carro, não acelerou, foi aos poucos tomando o rumo de casa. Ligou para Paulete, ela estava ocupada com um novo affair, ela era uma comédia com os casos dela. Chegou, estacionou, subiu o elevador, trocou de roupa. Tudo isso com o fone de ouvido nas orelhas ouvindo uma música que a fizesse pensar em outras coisas. Resolveu ir correr na praia, era o melhor remédio, sempre. 

Fez isso. Foi até o final da praia, ainda olhou um pouco as ondas sentada na areia, deixou a maresia tomar conta do seu corpo e limpas os pensamentos que estavam a atordoando. Pegou o caminho de volta. Fones com volume máximo, pernas correndo em direção a sua casa, já estava até com fome. Não ia comer tão cedo.

Chegando no último quiosque, se preparando já para atravessar a rua foi surpreendida por alguém em seu caminho, como não enxergava muito bem de longe, ainda mais no escuro, demorou para perceber que era Carol. Diminuiu o passo, abaixou a cabeça e secretamente pediu um pouco de sabedoria ao seu deus. Ainda estava confusa. Parou a pouquíssimos centimetros dela, riu e perguntou o que ela estava fazendo lá. Carol antes de responder deu um beijo roubado nela, do tipo que deixa a pessoa sem graça. 

"Vim te ver." - Carol quando gostava não fazia questão de esconder nem de ser discreta.

"Já me viu. E agora?" - Andreia gostava da atenção toda que estava recebendo.

"Posso acompanhar a senhorita até em casa?"

E foram as duas, de mãos dadas até o apartamento de Andreia, que Carol já conhecia de cor. Andreia abriu a porta, Carol soltou a mochila no canto da porta, tirou o sapato e ficou ali, meio que sem saber o que fazer. Andreia pegou um copo de água, riu da timidez da Carol e foi até ela. A beijou longamente, a segurou pela cintura e puxou o corpo dela pra bem perto. 

Andreia estava toda suada da corrida e chamou Carol para acompanhá-la no banho. Nem havia como recusar um convite desses. Não foi um sexo ardente, ou cheio de paixão, nem um sexo selvagem. Na verdade não houve sexo. Para Carol isso era até estranho, mas pareceu muito certo naquele dia.
O chuveiro quente, esquentou o corpo delas, ficaram abraçadas, se beijando de leve, ainda um pouco preocupadas com tudo que tinham ouvido naquele dia, era bem claro que as duas estavam indo mais devagar. Mas resolveram continuar. Iam dar uma chance. 

Afinal de contas, nunca tinham tomado um banho quente com alguém tão gostoso quanto aquele.

0 comentários :

Postar um comentário